Policial Penal denuncia assédio moral da diretora do PREFEM e alerta para colapso

    0
    273

    SOCORRO, SE (POLÍTICA A JATO) – Um Policial Penal que prefere não ser identificado, denuncia uma série de irregularidades no Presídio Feminino de Nossa Senhora do Socorro, principalmente o assédio moral por parte da diretora da unidade prisional, Andrea Fernanda.

    Ainda de acordo com a denúncia, o servidor alerta para a possibilidade de um colapso administrativo. Segue o relato:

    Venho detalhar algumas situações que poderão levar o Presídio Feminino a colapso administrativo, e consequente prejuízo ás atividades de segurança na Unidade.

    Os servidores plantonistas estão há tempo sofrendo com assédio moral praticado pela Sra Andrea Fernanda, diretora da Unidade, devido a várias situações, diversos órgãos foram informados:

    Em 29.09.2019

    Em 09.10.2019 foi protocolado no Monistério Público Estadual que a diretora estava dificultando, senão impedindo que servidores plantonistas tenham acesso a registros em livro com o objetivo de se cientificar acerca das ocorrências ns Cadeia.

    Em 11.10.2019 foram descritas situações que comprovam o assédio moral.

    Em 29.09.2019, foram levadoas ao MPE irregularidades que caracterizariam o assédio moral pela diretora.

    Em 06.01.2020 foi provocado o MPE acerca de défict de servidoras no Prefem, resultando em dificuldade para garanir a segurança. Contudo sem justificativa, como prova do assédio, a diretora transferiu 03 servidores para outras unidades, ou seja, não houve interesse  público.

    Em relatório o próprio MPE constatou a fragilidade no momento em que são realizadas as visitas.

    Em 03.02.2020, foi instaurado pelo MPE procedimento para apurar a falta de servidoras no Prefem.

    No que refere ao assédio moral, tais práticas também foram levadas ao Monistério Público do Trabalho, tendo em vistas recorrentes transferências para outras unidades.

    Pelo exposto fica evidente que um colapso administrativo resultará em impossibilidade de garantir a segurança.”

    Sobre o assédio moral, o policial penal ainda afirma que a diretora pretende invadir a privacidade dos servidores ao instalar câmeras em alojamentos:

     “A situação de assédio moral e perseguição aos servidores do Presídio Feminino pela diretora da unidade está tomando proporções inimaginavéis.

    Conforme se verifica no registro de ocorrência foi verificado que câmeras instaladas pdem estar filmando o alojamento masculino, sendo assim podendo invadir  a privacidade da equipe masculina.

    Tem-se como agravante o registro que apenas a direção tem acesso à sala onde se visualizam as filmagens.

    Mais uma situação que requer apuração imediata!!! E punição caso haja confirmação.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui