Senador Alessandro vai ao TJ e ajuiza queixa-crime contra o deputado Rodrigo Valadares

0
303

ARACAJU, SE (POLÍTICA A JATO) – O senador Alessandro Vieira (CIDADANIA) ajuizou queixa-crime no Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe em desfavor do deputado estadual, Rodrigo Valadares (PTB).

Segundo consta na denúncia movida por Vieira, Rodrigo teria cometido crimes de difamação, calúnia e injúria ao insinuar que o senador usou ilegalmente ferramentas de disparos em massa com dinheiro do RenovaBR, numa espécie de caixa 2, durante sua campanha eleitoral.

Rodrigo Valadares garantiu que durante a campanha de 2018, o RenovaBR fez disparos em massa nas redes sociais da internet e tratamento de perfil público de Alessandro Vieira “fora da contabilidade oficial”, e questionou: “Até quando vamos aceitar esse falso moralista?”. Ele ainda cobrou que o senador explique “a tecnologia (sic) que o grande sistema financeiro gastou com ele”. Por fim, afirmou que “tudo do Alessandro Vieira foi calculado. Ele é produto de marketing. Chegava o discurso, ele gravava e distribuíam pra ele” […] com “disparos em massa e roubo de dados dos usuários de redes sociais”, diz trecho da ação movida por Alessandro.

Além disso, o senador da República afirmou nos autos que o deputado estadual publicou um print de uma conversa com um outro interlocutor no Instagram, não qual se afirmava que a Polícia Federal foi influenciada por Alessandro a cumprir mandado de busca e apreensão na residência de Rodrigo.

Cabe destacar que a acusação partiu de um seguidor de Rodrigo Valadares e que essa busca e apreensão foi motivada a partir de um inquérito da PF que investiga a suposta vinculação do deputado em crimes de Fake News contra o próprio senador.

No entanto, segundo Alessandro, a responsabilidade sobre o conteúdo do print deve recair tanto sobre Rodrigo Valadares, que publicizou a ofensa, quanto sobre o seguidor que criou o texto ofensivo.

A secretaria do Tribunal de Justiça publicou nesta quinta-feira (04) ainformação de que Rodrigo Valadares foi intimado e que já tem ciência das acusações. O relator do caso é o Des. Edson Ulisses de Melo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui